Melatonina 3mg (100 cápsulas) - Optimum Nutrition

Melatonina vai te ajudar a dormir melhor, combate a insônia, excelente para descansar melhor em menos tempo.

Disponível: Em estoque

R$99,99
Descrição
Detalhes

O que é melatonina?

Melatonina é uma substância produzida por nosso organismo, essencial para o bom funcionamento dos nossos ciclos de sono e vigília. Trata-se de um hormônio sintetizado pela glândula pineal, localizada na região central de nosso cérebro, que também é responsável por esse ciclo natural, funcionando mais durante à noite, quando atua na produção da melatonina.

A melatonina também é produzida durante o dia, porém em menor quantidade, em virtude da claridade da luz solar.

A melatonina, denominada pela medicina com N-acetil-5-metoxitriptamina, foi descoberta em 1958 pelo dermatologista Aaron Lerner, que a isolou nos estratos da glândula pineal de bovinos e a nomeou em virtude de sua capacidade de contrair os melanóforos, ou em português mais claro, os pigmentos dos cromatófaros, as células que cuidam da pigmentação, dos sapos, produzindo o seu clareamento.

Nos mamíferos, a melatonina tem como função principal induzir o sono, embora também participe de alguns processos fisiológicos, sendo um grande aliado no combate de algumas doenças.

O hormônio ganhou bastante notoriedade quando se descobriu seus benefícios ao corpo humano, como o retardamento do envelhecimento das células e o forte poder antioxidante que possui, eliminando os radicais livres presentes no organismo.

Esse fato, principalmente, tornou a melatonina o suplemento número 1 para atletas e fisiculturistas, principalmente por trazer melhor equilíbrio no organismo, mais saúde e bem estar, além de também ser indicado para pessoas com insônia.

Novas descobertas acabaram ocorrendo sobre a melatonina, sabendo-se atualmente que o hormônio também está ligado aos processos de emagrecimento, de ganho muscular e de melhor funcionamento do cérebro.

Como todo hormônio, porém, a melatonina tem sua produção reduzida conforme o organismo envelhece, o que a torna um suplemento indicado para a manutenção das condições ideais de saúde e de vitalidade.

Como funciona a melatonina

Em nosso organismo, a melatonina funciona como um marcador do ritmo biológico circadiano, regulando-se de acordo com as 24 horas do dia, acompanhando o ciclo biológico natural.

Sua atuação é marcada pela luminosidade, sendo produzida em maior quantidade quando dormimos, ocorrendo seu maior nível plasmático entre as 3 e 4 horas da manhã.

É importante lembrar que qualquer tipo de iluminação inibe a produção da melatonina pela glândula pineal, inclusive as luzes artificiais, a luz elétrica, o que torna bastante recomendável e necessário dormir sem qualquer tipo de iluminação.

No entanto, como ainda veremos, não é apenas a escuridão que estimula a síntese de melatonina.

O período noturno é o mais propício para a produção da melatonina, e isso ocorre através do aminoácido Triptofano, que temos na circulação sanguínea. O Triptofano atravessa de forma ativa a membrana celular da glândula pineal, sendo convertido em seu interior em 5-hidroxitriptfano (5-HTTP), retirando as enzimas alfa-carboxil e produzindo, como resultado, a serotonina.

Após esse processo, outra enzima atua na serotonina, transformando-a em melatonina. Como tudo acontece durante o período noturno, entendemos também porque os níveis de serotonina são mais elevados durante o dia e mais baixos à noite.

Depois de pronta, a melatonina é espalhada pelo corpo através do sangue, entrando com facilidade em todas as células por ser uma molécula lipossolúvel, ou seja, é dissolvida pela gordura das células.

É interessante também observar que a produção de melatonina é maior durante o período de inverno, uma vez que, nessa época, as noites são mais longas. Do mesmo modo, a síntese é maior durante a infância, quando dormimos mais, do que no período adulto, reduzindo à medida que envelhecemos.

Vantagens da melatonina

No nosso organismo, a melatonina atua em diversos processos fisiológicos. Ela é importante aliado do sistema imunológico, como já dissemos, atuando sobre os linfócitos e as citocinas, as células que defendem nosso organismo contra agentes agressores internos e externos.

A melatonina tem também uma atividade anti-inflamatória, inibindo as prostaglandinas, que propiciam os processos inflamatórios, regulando enzimas e mantendo a atividade antioxidante, que elimina os radicais livres do nosso corpo.

A função mais conhecida da melatonina, no entanto, é a regulação do ritmo biológico, informando ao nosso organismo os horários em que precisamos descansar, tornando nosso processo digestivo mais lento, promovendo a queda de temperatura corporal e da pressão sanguínea para que tenhamos o necessário tempo de descanso e de recuperação de todas as células e órgãos.

Melatonina para tratamento dos distúrbios do sono

O uso da melatonina estimula o sono, e isso pode ocorrer mesmo durante o dia, em pessoas saudáveis, já que reduz a temperatura corporal e tem uma atividade vasodilatadora. Em crianças com problemas neurológicos e com distúrbios do sono, a melatonina melhora a qualidade de vida e regula a função circadiana.

O tratamento com melatonina também é indicado para os famosos casos de jet lag, os distúrbios enfrentados por pessoas que atravessam mais de um fuso horário em viagens de avião, trazendo adaptação mais rápida do equilíbrio orgânico o novo fuso, sendo útil também para trabalhadores que são obrigados a trabalhar no período noturno, uma situação que, com o tempo, pode ser bastante prejudicial para a saúde.

Por se tratar de um hormônio produzido naturalmente pelo organismo, mesmo em sua forma sintética a melatonina é mais conveniente do que qualquer medicamento para tratamento contra a insônia, uma vez que induz naturalmente o sono, não deixando qualquer sensação de fadiga ou de sonolência durante o dia, situação comum para quem toma hipnóticos e remédios para dormir.

Um estudo comparando o desempenho da melatonina e do sonífero temazepan demonstrou que, embora o temazepan tenha estimulado o sono de forma mais rápida, a melatonina proporcionou maior tempo de sono, com melhor desempenho cognitivo depois do período de descanso do que o temazepan.

É necessário também considerar que a melatonina não é tão nociva, mesmo em altas doses, não causando perda de consciência involuntária, como acontece com outros sedativos sintéticos, que podem levar a quadros de parada cardíaca e respiratória, podendo até provocar casos fatais.

Dúvidas frequentes sobre a melatonina

1.É verdade que a melatonina ajuda a combater o câncer?

Um estudo publicado no British Medical Journal, em sua versão online, mostra que mulheres que trabalham no período noturno por longos anos têm duas vezes mais probabilidades de desenvolver câncer de mama. Da mesma maneira, homens que trabalham durante a noite também têm mais risco de desenvolver câncer de próstata, além de outros órgãos, como bexiga, pâncreas e reto, além de linfoma.

De acordo com os pesquisadores, o fato se deve à falta de produção de melatonina, uma vez que a luz diurna inibe sua síntese, propiciando a ocorrência do câncer.

Em outro estudo, feito apenas com mulheres que eram portadoras de câncer de mama metastático e que não reagiam ao tratamento com tamoxifeno, a suplementação da quimioterapia juntamente com a administração de 20 mg de melatonina todas as noites trouxeram bons resultados, com melhor resposta ao tratamento.

Depois desses estudos, outras pesquisas mostraram que a melatonina impede o aparecimento de novos tumores, inibindo a angiogênese, ou seja, não deixando ocorrer o desenvolvimento de novos vasos sanguíneos que possam alimentar as células cancerígenas.

Um detalhe interessante no uso de melatonina é o fato dessa substância amenizar alguns efeitos colaterais da quimioterapia. Com a associação de 20 mg diárias de melatonina, muitos pacientes passaram a sentir menos os efeitos colaterais do tratamento e, depois de um ano de tratamento, os que se utilizaram da melatonina apresentavam-se mais protegidos contra a baixa contagem de plaquetas, com a neurotoxicidade e com o surgimento de feridas, além de adquirirem um tempo de sobrevida maior do que os que não usaram a melatonina.

2. A melatonina também auxilia no tratamento do mal de Parkinson

Uma das principais dificuldades de pacientes com mal de Parkinson é a falta de sono. A melatonina, além de trazer diversos benefícios para esse tipo de doença, também é uma excelente opção para amenizar os problemas de insônia.

Os estudos levaram em consideração doses diferentes de melatonina via oral, entre 0,5 a 1,25 mg/kg. O uso de melatonina proporcionou sono nos pacientes entre 15 a 20 minutos em voluntários saudáveis, promovendo aumento do limiar convulsivo para os epiléticos e redução da rigidez e dos tremores nos portadores da doença de Parkinson.

3. A melatonina é útil para prevenir enxaquecas

O uso da melatonina também trouxe bons resultados no tratamento de enxaquecas, através de seu poder de estimular a neurotransmissão gabaérgica, inibindo a glutamatérgica, melhorando a atuação da serotonina e dopamina e aumentando as propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias do sistema imunológico.

O estudo foi desenvolvido no Hospital Israelita Albert Einstein, por pesquisadores brasileiros, demonstrando que uma dose de 3 mg de melatonina pelo menos 30 minutos antes de dormir, torna-se um medicamento eficaz na prevenção de enxaquecas.

4. Melatonina ajuda a emagrecer

Doses diárias de melatonina aplicadas em ratos magros e obesos, na ordem de 10 mg/kg, por um período de duas semanas, trouxeram resultados satisfatórios para o emagrecimento, segundo o Journal of Pineal Research. Os ratos tiveram conversão de gordura branca em gordura marrom, utilizada para produzir energia.

A pesquisa comprovou também o fato de que pessoas que dormem mal têm maior tendência a engordar e, quando se estimula a produção de melatonina, é possível promover o emagrecimento. Para quem tem problemas de sono, portanto, o uso de melatonina é um importante auxiliar, evitando a obesidade e promovendo a saúde natural.

Outros benefícios do uso da melatonina

Além dos benefícios citados, a melatonina também pode trazer diversos outros, que estão sendo estudados, com a condução de pesquisas no mundo todo:

  • A melatonina tem se comprovado um medicamento eficaz para retardar a evolução do mal de Alzheimer;
  • Em pessoas com epilepsia, a melatonina tem mostrado efeitos terapêuticos benéficos, retardando e reduzindo os efeitos dos ataques;
  • Em uso tópico, a melatonina tem demonstrado bons efeitos na recuperação dos fios do couro cabeludo, reduzindo os efeitos da calvície masculina de origem genética;
  • Na Universidade do Sul da Flórida está se desenvolvendo um estudo sobre a ação neuroprotetora da melatonina em danos provocados por AVC – acidente vascular cerebral. A melatonina, aplicada em pacientes que tiveram AVC, estimulou as células tronco para se diferenciarem em neurônios, reduzindo a área afetada e o edema provocado pelo AVC;
  • Pesquisas em animais que receberam injeções de melatonina mostraram que a substância também é eficaz para o tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica, dando maior sobrevida aos contaminados e retardamento da evolução da doença.

Por que tomar melatonina?

Diante de tantos benefícios da substância, tem se evidenciado também que a prática de atividades físicas de forma mais intensa é responsável pelo estresse oxidativo da massa muscular.

A ingestão de melatonina antes do treino ajuda a melhorar o desempenho do atleta, bem como sua recuperação orgânica no pós-treino. Os estudos e pesquisas mostram que a melatonina é um poderoso antioxidante, agindo ativamente no organismo e propiciando melhor recuperação.

A University of Seville Medical School realizou um estudo onde atletas receberam 6 mg de melatonina ou de placebo, usando meia hora antes de treinos físicos intensos e contínuos pelo período de uma hora.

Os resultados mostraram que os atletas que tomaram melatonina tiveram o estresse oxidativo bastante reduzido, com maior estímulo do metabolismo das gorduras e aumento das defesas do sistema imunológico.

Um dos pontos que devemos considerar como importantes é que os exercícios praticados de forma intensa também geram processos inflamatórios e dores musculares. Os atletas que se utilizaram de melatonina antes de participar de corridas mais extensas, mostraram muito melhor desempenho do que atletas que não fizeram uso da substância.

A preparação dos atletas foi feita com 3 mg de melatonina durante o jantar com dois dias antes das corridas, e com 9 mg na véspera, distribuindo-se 3 mg em cada refeição.

As amostras de sangue e urina desses atletas mostraram resultados bastante positivos, autenticando a eficácia da melatonina na redução dos processos inflamatórios e oxidativos do organismo em exercícios de alta intensidade.

A suplementação com melatonina também é importante para o desenvolvimento muscular. Depois de exercícios intensos, o organismo libera hormônios que estimulam as reações anabólicas, servindo para a reconstrução dos músculos.

Nesse processo, organismo lança no sangue os hormônios de crescimento que, com o uso da melatonina, tem seu processo acelerado, sendo produzidos em maior quantidade, evidenciando a importância da melatonina para os atletas.

Quais as melhores formas de usar a melatonina?

Um atleta que costuma praticar atividades físicas de forma mais intensa gera um estresse oxidativo no organismo e, em virtude disso, a ingestão de antioxidantes antes do treino melhora o seu desempenho e favorece a recuperação do organismo.

A melatonina, por ser um excelente antioxidante, é o suplemento ideal para se tomar antes dos treinos. No entanto, é preciso antes consultar um médico ou um nutricionista, principalmente no caso de haver algum problema de saúde que possa provocar efeitos colaterais.

A melatonina pode ser encontrada em diversos formatos, como em pílulas ou em cápsulas comuns, que são de liberação mais lenta, sendo melhor absorvida pelo organismo num período de tempo mais estendido.

O uso de melatonina em cápsulas ou pílulas pode ajudar a manter-se mais relaxado durante a noite, podendo dar melhores condições de recuperação à massa muscular.

Também oferecida no mercado em comprimidos sublinguais, a melatonina pode ser de rápida absorção, dissolvendo-se sob a língua e seguindo diretamente para o interior do organismo, não sendo, no entanto, absorvidas pelo trato intestinal, gerando efeitos muito mais rápido do que os comprimidos ou cápsulas.

Outros formatos de melatonina são em líquido, balas, gel ou creme, que também são absorvidos diretamente pelo organismo, agindo mais rapidamente do que no formato tradicional.

A forma como se toma a melatonina pode influenciar diretamente no organismo. Se o seu uso é para provocar o sono, é necessário tomar uma cápsula antes de dormir, já que a liberação será controlada durante o período noturno.

Contudo, se o uso for para manter o sono e a pessoa acordar à noite, não deverá tomar outra cápsula, já que poderá desestabilizar o relógio orgânico.

Depois de ingerir a melatonina é necessário também evitar alguns comportamentos para que ela possa agir corretamente. Assim, para garantir sua eficácia, é preciso evitar alimentos ricos em cafeína ou líquidos como chá, refrigerante, energético e chocolate.

O ideal é também desligar as luzes logo depois da ingestão e antes de ir para a cama, uma vez que a luminosidade pode reduzir a produção normal pelo organismo, inibindo seus efeitos.

Efeitos em curto prazo da melatonina

Mesmo que nosso organismo produza a melatonina naturalmente, isso não significa que tenhamos uma boa noite de sono. Usar a melatonina na forma de suplemento é oferecer a oportunidade ao nosso organismo de amplificar seus efeitos, atingindo um estado profundo de sono e de descanso para recuperação da massa muscular.

Assim, fazer uso da melatonina em forma de suplemento é garantir dormir por mais tempo, reduzindo a quantidade de vezes que acordamos à noite.

Os efeitos em curto prazo da melatonina se manifestam logo depois dos primeiros dias do seu uso, com melhor recuperação orgânica, ou seja, melhorando a recuperação muscular, uma vez que o usuário está tendo melhor descanso noturno.

Dessa forma, maior também será a liberação de hormônios anabólicos, que só acontecem nos estágios mais profundos do sono.

Além disso, o uso da melatonina favorece o horário em que se vai para a cama. Para pessoas que têm problemas em controlar o tempo certo, a melatonina promove em poucos dias uma regularização do relógio biológico, provocando sono na hora certa, todas as noites.

Outro efeito em curto prazo da melatonina é o aumento do poder do sistema imunológico, prevenindo diversos problemas de saúde, uma vez que se trata de uma substância antioxidante que promove a limpeza dos radicais livres, eliminando tudo aquilo que não é útil para o fortalecimento da saúde.

Efeitos em longo prazo da melatonina

A melatonina é um suplemento avaliado como seguro para uso de acordo com as prescrições estabelecidas pelo fabricante ou por um médico endocrinologista. Os estudos sobre a substância mostram que ela pode ser usada com bastante segurança por até 2 anos em adultos.

Não é aconselhável o uso de melatonina por longos períodos de tempo em virtude de haver risco de efeitos negativos sobre o desenvolvimento gonadal, não sendo também recomendado para mulheres grávidas ou lactantes, sem antes haver prescrição médica.

Os efeitos de longo prazo pelo uso da melatonina não foram ainda identificados pelas pesquisas, mas sabe-se que há risco de interação com algumas condições de saúde ou com outras medicações que o usuário necessitar.

Contraindicação da melatonina

O uso da melatonina é contraindicado para alguns casos específicos, como na gravidez, no aleitamento materno e para crianças com menos de 12 anos de idade.

O suplemento de melatonina também não pode ser consumido quando a pessoa estiver utilizando medicamentos anticoagulantes, que afinam o sangue; com imunodepressores e medicamentos contra o diabetes, já que provoca interações desfavoráveis.

Mulheres que fazem uso de pílulas anticoncepcionais também devem evitar o uso de melatonina enquanto estiverem usando esse tipo de medicamento.

Efeitos colaterais da melatonina

De uma forma geral, os efeitos colaterais da melatonina só são percebidos quando se utiliza doses muito altas do suplemento, acima de 10 mg por dia. O excesso de melatonina pode provocar no organismo:

  • Excesso de sonolência;
  • Fadiga;
  • Baixa acuidade visual;
  • Arritmia cardíaca;
  • Falta de concentração;
  • Em pessoas com tendência, agravamento da depressão;
  • Se em excesso por longo período, inibição da absorção de cálcio;
  • Dores de cabeça;
  • Diarreia.

A intensidade dos efeitos colaterais depende muito da quantidade ingerida, ou seja, quanto maior a dose, maiores serão os riscos de sofrer de qualquer um dos efeitos anteriormente mencionados.

Recomendações de armazenamento da melatonina

Para manter os benefícios da melatonina em suplemento, é necessário que o frasco seja guardado ao abrigo de sol direto e de umidade, mantendo o recipiente sempre bem fechado. Também se deve evitar o armazenamento ao alcance de crianças, principalmente menores de 12 anos, para os quais a melatonina não é indicada.

Melatonina só ajuda no sono?

Como você pôde ver ao longo desse artigo, a melatonina em forma de suplemento pode atender diversas necessidades orgânicas, principalmente para atletas que precisam de melhor recuperação da massa muscular.

A melatonina ajuda principalmente no sono, principalmente quando você sabe que é exatamente durante o horário em que estamos dormindo que nosso organismo trabalha para a recuperação de todas as nossas células, inclusive as que compõem nossa massa muscular, a que mais sofre durante atividades físicas intensas.

Avaliações
Queremos saber sua opinião
Produto: Melatonina 3mg (100 cápsulas) - Optimum Nutrition
Como você avalia este produto? *
 1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas
Qualidade
Tags do Produto
Tags do Produto

Use espaços para separar as tags. E aspas simples (') para frases.