Melatonina

O que e Melatonina?

melatoninaA melatonina é o hormônio responsável pela indução ao sono, sendo produzida naturalmente pelo nosso organismo, tendo seus níveis reduzidos ou aumentados de acordo com o funcionamento de nosso metabolismo durante o dia.

Em razão de sua função de induzir o sono, a melatonina foi desenvolvida em laboratórios numa versão sintética, sendo comercializada como suplemento em muitos países do mundo.

No Brasil, o suplemento ainda não foi aprovado, mas é possível ter acesso através das lojas de suplementos online, além de também ser produzida em farmácias de manipulação. Como suplemento, sua comercialização está, portanto, liberada.

Para que serve?

Estreitamente ligada ao ciclo circadiano, a melatonina é o hormônio responsável pela organização de nossas funções orgânicas, tanto quanto estamos dormindo quanto em estado de vigília.

Tem o início de sua produção em nosso organismo ao anoitecer, ajudando-nos na preparação para a noite de sono, atingindo seu nível máximo pela madrugada e tendo a produção reduzida com o retorno da claridade, assinalando o momento de acordar.

Como é responsável pela regulação das funções do sono, a maior parte de nossos órgãos possui receptores para a melatonina, o que faz com que ela atue em nosso organismo das mais variadas formas, muitas delas ainda desconhecidas pela medicina.

Ao mesmo tempo em que regula o sono, por exemplo, acredita-se que ela também tenha funções de regeneração celular, ajudando a combater as inflamações do organismo.

Atualmente, com a vida muito mais agitada e com estímulos luminosos em todos os horários, inclusive à noite, muitas pessoas apresentam menor produção de melatonina, criando sérios problemas de insônia. Por isso, o uso da substância em sua forma sintética tem trazido apoio a quem costuma se influenciar pelos estímulos luminosos.

Indicações da suplementação

Sendo um hormônio relacionado com o ciclo do sono, a melatonina sintética é indicada geralmente para pessoas que apresentam dificuldade em começar a dormir, de manter uma noite de sono proveitosa ou de ter um descanso de qualidade à noite.

As principais classes de pessoas que geralmente precisam de suplementação deste produto são as seguintes:

  • Pessoas idosas, que produzem normalmente menos em razão da idade;
  • Pessoas que trabalham durante a noite e que precisam dormir durante o dia;
  • Pessoas que só conseguem dormir bem mais tarde e precisam acordar cedo;
  • Viajantes, quanto é preciso se recuperar dos efeitos do jet lag ou que buscam prevenir o problema de fusos horários;
  • Pessoas que possuem alguns graus de cegueira e, em razão da falta de percepção de luminosidade, apresentam dificuldades na produção da mesma

A mesma vem sendo utilizada para o tratamento de determinados tipos de insônia, sendo importante, no entanto, destacar que não oferece resultados para todas. Sua eficiência é comprovada apenas para a indução inicial do sono.

É importante também ressaltar que e tomada como suplemento, possui uma dose bem maior do que aquela liberada normalmente pelo organismo.

De acordo com os estudos, a glândula pineal produz 0,1 mg de melatonina todos os dias e as cápsulas de melatonina sintética podem conter até 3 mg da substância. Essa quantidade faz com que seja necessário seguir as recomendações médicas antes de consumir o suplemento.

Melatonina para crianças

Da mesma forma que nos adultos, a mesma tem a função ligada ao ciclo circadiano nas crianças, regulando seus períodos de sono. Nas crianças, a quantidade de melatonina produzida é bem maior, reduzindo-se com a idade, o que pode ser visto pelas horas de sono de um bebê, por exemplo, que podem chegar a 18 por dia.

Nas horas de sono, para as crianças, existem outras implicações, como, por exemplo, a produção do hormônio do crescimento, que vai agir em conjunto  aproveitando essas horas de descanso.

A melatonina sintética só pode ser fornecida às crianças diante da constatação de que a produção natural não é suficiente, devendo antes haver uma conversa com o médico pediatra, que pode adotar outras medidas.

Um estudo publicado no Journal of American Academy of Child & Adolescent Psychiatry demonstrou que a melatonina somente está indicada para crianças autistas que apresentem dificuldades de conciliar o sono. Contudo, mesmo com os resultados apresentados, os pais devem consultar o médico pediatra antes de ministrar a substância a menores.

Melatonina para jovens

A maior parte dos jovens na atualidade já sofre naturalmente com a falta de sono, seja em razão do estresse diário, das atividades escolares ou do trabalho. A melatonina sintética vem sendo aplicada em jovens com bons resultados, trazendo novamente o conforto de uma noite bem dormida.

Melatonina para adultos

Para adultos a melatonina sintética tem sido um dos melhores suplementos, ajudando a conciliar o sono e desacelerando o metabolismo, havendo apenas duas contraindicações, como iremos comentar mais adiante.

Melatonina para idosos

A melatonina para idosos é um suplemento de grande importância, principalmente pelo fato de que o hormônio tem sua produção reduzida conforme a idade. Os idosos são, entre as pessoas, os que mais se beneficiam com o uso do suplemento, garantindo melhores noites de sono.

Benefícios da melatonina em estudo

Vem sendo amplamente estudada por diversos laboratórios, principalmente quando há interesse em outros usos do suplemento para a saúde humana.

Algumas linhas de pesquisa sobre a melatonina e os possíveis benefícios que ela pode oferecer estão destacados a seguir:

1.    Tratamento para enxaqueca

Alguns estudos recentes, inclusive feitos no Brasil, demonstram que a aplicação de melatonina pode aliviar alguns tipos específicos de enxaqueca. Amesma vem sendo estudada para situações em que os pacientes com enxaqueca não respondem a outros tratamentos, como, por exemplo, o uso de analgésicos.

No entanto, ainda não se tem conhecimento aprofundado sobre os efeitos da melatonina nesses casos, não havendo ainda um protocolo para sua aplicação.

2.    Alívio na resposta à quimioterapia

Os estudos sobre este produto e para aumentar a efetividade de tratamentos de câncer através da quimioterapia vêm sendo feitos em diversos laboratórios. Os estudos, por enquanto, ainda estão sendo realizados com cobaias.

Depois, dependendo dos resultados, serão aplicados em humanos, mas tudo vai depender dos resultados obtidos com as cobaias.

3.    Melatonina para prevenção do câncer

Alguns pesquisadores estão indo além e buscando saber se a melatonina pode influenciar na prevenção de alguns tipos de câncer bastante comuns.

Os argumentos apresentados pelos pesquisadores são bastante lógicos, uma vez que um dos processos orgânicos naturais da melatonina é manter a atividade e regular o mecanismo de controle de novas células, criadas pelo corpo durante o sono.

Segundo os pesquisadores, a melatonina poderia prevenir o desenvolvimento de tumores cancerígenos. Os testes já estão sendo aplicados em voluntários humanos, mas serão necessários ainda alguns anos para se chegar a alguma conclusão.

4.    Tratamento da síndrome dos ovários policísticos

A mesma tem sua influência em diversos outros hormônios produzidos pelo organismo, principalmente a insulina e o estradiol, que estão relacionados com a síndrome dos ovários policísticos.

Essa interligação também vem sendo objeto de estudos pelos pesquisadores e o foco das pesquisas realizadas atualmente está na busca da compreensão de como a melatonina pode causar impactos nesses hormônios, entendendo, depois, como ela pode ser usada no tratamento da síndrome dos ovários policísticos.

5.    Melatonina para amenizar a cólica em bebês

A medicina já sabe que a serotonina e a melatonina oferecem funções importantes para o intestino. Enquanto a serotonina provoca a contração das paredes intestinais, a mesma ajuda no seu relaxamento.

No caso dos bebês, a glândula pineal ainda se encontra imatura e os especialistas vêm estudando a possibilidade de suplementar a quantidade de melatonina com o objetivo de amenizar as cólicas comuns nos bebês.

Contudo, as pesquisas ainda estão em andamento, não havendo ainda qualquer protocolo de tratamento em bebês pela melatonina.

6.    Tratamento de queda de cabelos e calvície

As pesquisas realizadas com o uso tópico da melatonina têm demonstrado que a substância pode ajudar a combater a calvície, ou a alopecia androgenética, quando em estágio inicial.

As descobertas até o momento demonstram que este produto pode multiplicar as células germinativas do bulbo capilar e, dessa forma, estimular o crescimento de novos fios de cabelo.

Também mostrou melhorar o estresse oxidativo, que pode favorecer a atuação da di-hidrotestosterona, ou DHT, uma das causas desse tipo de calvície. Os produtos manipulados para esse fim já estão sendo vendidos em farmácias de manipulação.

A venda foi liberada depois do estudo publicado pelo jornal International Journal of Trichology, realizado com 35 homens, todos portadores de calvície genética, com idade entre 18 e 40 anos, que fizeram uso da solução capilar com melatonina uma vez ao dia durante seis meses.

Depois desse período, notou-se que houve um aumento da contagem capilar, com percentuais de 29,2% após 3 meses, e 42,7% após 6 meses, além da densidade capilar, com aumento de 29,1% em 3 meses, e 40,9% em seis meses.

Melatonina ajuda a emagrecer?

O sono, de acordo com a medicina, possui um papel de grande importância para o emagrecimento. Ainda não é possível afirmar que o uso da melatonina sintética possa influenciar em dietas de emagrecimento.

O que a medicina sabe é que, durante um sono de qualidade, o organismo regula os hormônios relacionados à saciedade, como a grelina e a leptina. Uma pessoa que dorme pouco ou que tenha baixa qualidade de sono, faz com que esses hormônios não tenham ação melhorada, o que leva a pessoa a comer mais para se sentir satisfeita.

Entende-se que quem dorme melhor, consegue também controlar o peso de maneira mais eficiente, e a melatonina pode se tornar uma aliada no processo. Vale lembrar, no entanto, que o hábito de uma alimentação balanceada e a prática de atividades físicas regularmente também são determinantes para o processo de emagrecimento, da mesma maneira que uma boa noite de sono.

Como tomar melatonina

A melatonina é comercializada em doses de até 10 miligramas. Geralmente, a recomendação é consumir até 3 mg por dia, entre uma e duas horas antes de dormir. Para crianças ainda não há dosagens consideradas seguras, não se recomendando a aplicação em menores.

Cuidados ao consumir

Este produto não oferece riscos para o consumo além do fato normal de o usuário apresentar alergia a algum ingrediente da fórmula ou à própria substância.

Alguns cuidados devem ser tomados, já que o consumo excessivo pode gerar problemas, embora o consumo de até 10 mg por dia não traga complicações.

Entre os efeitos colaterais observados no consumo de doses mais elevadas, estão a dor de cabeça e alteração na produção de alguns tipos de hormônios, como a prolactina.

Alguns usuários relataram maior produção de sonhos ao consumir o suplemento. No entanto, crianças podem ter aumento nos pesadelos durante a noite.

Contraindicações

As duas únicas contraindicações para o uso de melatonina sintética são para pessoas com histórico de angina e doenças cardiovasculares.

Deixe um comentário